Motor amaciando

As turbulências vistas na Ressacada nos últimos tempos não nos dão perspectivas de que teremos vida fácil nos próximos meses. E não porque tenhamos má sorte nos jogos, que os árbitros nos prejudiquem a todo instante, ou que a imprensa, zelosa por cores alvinegras, tenha mais uma vez debochado de nossa situação. Essas coisas já acontecem naturalmente, sem que se precise chamar pelos autores.

Nosso grande problema é crise de responsabilidade lá dentro do estádio de tijolinhos à vista. Aquela coisa na qual a pessoa com alguma atividade determinada come mosca, não faz o que deveria ter sido feito, traz prejuízos à instituição e ainda põe a culpa nos outros. Só para saber, o seu Carlos Arini nem deveria ter volta à Ressacada, muito menos ter permanecido depois da toupeirada clássica que deu, prejudicando o clube. E a sua permanência, com o aval da diretoria executiva, nos faz pensar que os tempos serão bicudos e ainda nem vimos o problema verdadeiro ser apresentado. Mas, não é hora de chorar pelo leite que a cabrita não mamou.

O grupo de jogadores do Sul da Ilha, que veste azul e branco, e que ainda não é um time, deu um alento à torcida neste fim de semana, como todos sabem.

Comportou-se como aquele carro novo recém saído da montadora, sem os acessórios de acabamento, sem potencial de força na máquina, com cheiro de graxa e óleo em algumas partes e sem as especificações de conforto. O motor ainda está cheio de arestas e amaciando. Convém o novo condutor, Gilson Kleina, levar o engenho na ponta dos dedos até sair da garagem do quadrangular do resto, cheio de poeiras e entulhos não recicláveis.

O futebol, como todos sabem, é uma atividade bipolar. Assim como Dunga, na seleção brasileira, será exaltado pela torcida quando se classificar para a próxima Copa (quero rir muito disso ainda!), depois de ter sido quase linchado em praça pública, o time do Avaí, quando começar a andar com as próprias pernas e fizer boa figuração daqui por diante, será novamente chamado de time de guerreiros e todos os seus problemas serão esquecidos ou jogados debaixo do tapete. Isso acontece em 11 de 10 clubes de futebol, e conosco não será diferente.

O sujeito quando tira o carro da garagem pode até não gostar da cor, do aspecto e fazer cara feia para seu desempenho. Mas basta o bicho ser econômico e não lhe deixar na mão que ele até o beija e pede pra chamar de seu. É assim que as coisas funcionam. Entendes?

Enquanto isso, o volume debaixo do tapete só cresce.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s