Quais serão os próximos avaianos?

Os grandes mágicos, os maiores ilusionistas dizem que não se faz um bom truque sobre o qual não se possa ter controle. Até porque, naturalmente, as coisas, os fenômenos não funcionam como se espera e estragar um evento pode pôr uma carreira na sarjeta. Isso vale também para artistas de qualquer atividade, especialmente os mais talentosos. Digo isso porque existem determinadas categorias profissionais, cujo entorno implica muito no desempenho.

Falo, obviamente, de atletas e mais ainda no âmbito do futebol, onde os cuidados com a parte física são imprescindíveis. Ninguém irá me defender a tese de que noitadas perdidas e bebida alcoólica em excesso não implicam num fraco desempenho. Quem precisa do corpo, da condição física para jogar uma partida, no mínimo, razoável, deve levar uma vida de monge. Tem que ter controle da situação. Sinto muito aos defensores da manguaça, mas é assim que funciona.

Sobre os projetos para 2015, portanto, o planejamento do Avaí deve começar com a montagem de um grupo de jogadores que queiram algo da vida, do que apenas bons degustadores de cerveja. Se o sujeito gostar de uma balada e sentir-se aliviado por ter bebido um copinho de cuba, pé atrás com esse cara. Lamento, é preconceito mesmo. Estou sendo moralista? Estou, e daí?

Dos jogadores atuais do elenco, por questões que vão além do sentimento pessoal, antes que algum apressadinho queira me emparedar, não simpatizo com muitos e só estendo a mão para um ou outro. São marmanjos crescidinhos, com pêlo na cara e já devem saber o que fazer da vida. Obrigatoriamente, uma Arca de Noé para três Diluvios deve atracar nos Carianos e levar de rodo quem não quis nada com nada e preferiu se esbaldar e baladar como bem entendia, deixando o clube na mão. Os tais que quiseram se aproveitar do clube, muito bem mandados, diga-se de passagem, quando o clube mais precisava deles, terão passagem só de ida nesta balsa de Hades.

A questão principal, falando sério e grosso, é que a montagem do próximo elenco deve vir ao encontro das aspirações do clube e não o contrário, evidentemente. A propóstio disso, fiquemos antenados com o bando de zé ruela que querem nos impor jogadores. Era só o que faltava, termos torcida paralela.

Experimentamos a série A ainda a pouco. Tivemos altos e baixos, mas o gosto foi muito bom. A queda, em 2011, foi inevitável graças a desarranjos internos, coisas que já discutimos à exaustão, mas se houvesse um grupo de jogadores mais comprometidos, e a diretoria estivesse mais atenta e despreocupada com vaidades, a história seria outra. Nem vou comentar do que foi feito em 2013 e muito menos em 2014, ganhado na bacia das almas. Portanto, do que acabou de acontecer e do muito que ficou pendente lá atrás qual foi a lição tirada? Dessa forma, a hora do balanço geral chegou, para fazermos melhor.

Quem queremos que defenda as cores do Avaí como um avaiano? Sim, a partir do momento em que um guri ou um marmanjo ponha os pés na Ressacada ele se torna um avaiano, obrigado a recitar o hino de cabo a rabo, a saber quem foi Amadeu Horn e porque motivo temos as cores azuis e brancas e não verde ou encarnada.

Para isso, o Departamento de Futebol deverá ter à frente um conhecedor de jogador, alguém que já tenha visto um ou outro por aí nos campinhos da vida e com carreira a começar com responsabilidade. Também, nada de medalhões cansados, nada de idas e vindas. Há ainda quem faça listas com jogadores que já aportaram por aqui, com bons predicados, e que deveriam voltar. Sem essa!

O que já deu certo, foi bom, saiu e procurou novos ares. Agradecemos. O que não deu ou já gastou o que tinha pra ganhar, foi um prazer, mas faz parte da história. Assim, o passado que fique em museu ou galeria de troféus. Será exaltado pelos bons serviços, é claro, mas dentro de campo se quer é produção.

É óbvio que os dentes cariados devem cair da boca. Não ajudam na degustação de um bom futebol. E se os meninos da base quiserem produzir e almejar uma boa carreira, eu apostaria nisso de olhos vendados.

Tenho plena confiança de que montaremos um time com a nossa cara, a cara dos avaianos. Um time competitivo, que jogue com raça, que tenha brio e que, preferencialmente, deixe aquela cervejinha do almoço para quando estiver de férias. Compreendesse?

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s