Compromisso com a história

Quando crescemos os compromissos e responsabilidades também crescem. É assim na vida, bem como no futebol também, este esporte que reverenciamos. Claro que o futebol não é o resumo da vida de ninguém e nem é a coisa mais importante cujas vidas só se resolvam nele. Mas nos países onde ele foi adotado como principal esporte e como entretenimento da maioria das pessoas, ele define posturas, personalidades e faz parte da cultura daquele povo.

Faço esta lengalenga existencial para afirmar que não vejo de bom tom o time do Avaí ir para São Paulo e enfrentar o Palmeiras, nesta partida pela Copa do Brasil, igual àquela pessoa que não resiste ao ataque, então relaxa e aproveita. Não que tenhamos que ir para este jogo como a avaianada de chuteiras. Rogar para santos e deuses por nossas expectativas e exigir uma batalha épica pelas tradições do Leão da Ilha. Sem essa!

Isto são bengalas existenciais para desesperados.

Mas, se ostentamos com graça nossa estrelinha da série C, se já nos orgulhamos por termos estado na série A e ter feito uma boa campanha, se já fizemos igual na Sulamericana e mesmo na Copa do Brasil, ir jogar agora com as calças arriadas porque não temos mais chances é, no mínimo, deselegante. Para ser bem legalzinho com o tchurma.

Durante muito tempo as pessoas de meu convívio sabem que tenho bronca da forma como jogam nossos maiores craques. Pelo menos aqueles que têm uma história a ser contada. Tenho feito críticas severas às suas posturas de jogadores de pebolim.

Não admito, de forma alguma, que Cléber Santana e Marquinhos Santos não deem trabalho à lavanderia do clube. Seus uniformes tem saído de cada partida como se fossem postos nos manequins para serem vendidos. A pele se mantém íntegra, pois não suam. Então, seria hora de mostrarem a grandeza que dizem ter, a relevância de ídolos dada por uma legião de fãs, e decidirem trazer a classificação para o Sul da Ilha. Ou, quando muito, uma boa partida.

Seria algo que redimiria todas as nossas decepções? Não, ainda não engolimos todo o dinheiro jogado fora nos últimos meses, para focar apenas no custo/benefício. Mas seria uma maneira de, ao menos, dar algum alento a quem, em Florianópolis, dedica uma parte da vida a este esporte. Os olhos poderão voltar a brilhar nos Carianos e algum sorriso, este comportamento humano tão raro entre nós, avaianos, enfeitaria as faces desanimadas por aqui.

Vão perder? É bem provável. Mas percam como homens, com time completo e jogando futebol.

Anúncios

Um comentário sobre “Compromisso com a história

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s