Muita transpiração, pouca inspiração

É isso, é o Avaí de volta. Embora com um pouco mais de pegada, mais raça, mais fôlego, com dois bons estreantes, o retorno do futebol na Ressacada trouxe o mais do mesmo. Um time dependendo de lances dos imortais e imexíveis Cléber Santana e Marquinhos, cuja produtividade é abaixo da crítica, atacantes com muito esforço e sem determinação e a zaga batendo cabeça. O mesmo cenário de antes do recesso da Copa.

É verdade, contudo, que o time está correndo mais. Se antes víamos uma coleção de gravatas logo na virada dos tempos, nesta partida percebemos um grupo mais lépido, ágil e incansável. Palmas ao novo preparador físico, por ter deixado vários jogadores com silhueta de guarda chuva fechado. Ver Roberto e Marquinhos magros é uma benção. Isso deu, evidentemente, a possibilidade de todo o time jogar mais tempo e não se entregar ao costumeiro cansaço dos últimos dez meses.

Houve a estréia de Carleto e Diego Felipe. Se não são credenciados a craques do campeonato, também não comprometeram. Ao contrário, tivemos jogadas pela lateral esquerda, espaço considerado zona improdutiva e oferecido ao INCRA para reforma agrária, haja vista que o lateral esquerdo de priscas eras, o Eduardo Neto, ia ao lado esquerdo do ataque uma vez a cada eclipse lunar. E Diego Felipe, que deve ter assistido a lances de Bastian Schweinsteiger na Copa e se achado o volante do momento, quando caiu em si e vários puxões de orelha do técnico depois, passou a produzir melhor, fez o gol da virada e foi o melhor jogador em campo.

A falta bisonha de Antonio Carlos, lhe deu direito a assistir ao resto do jogo pela TV. Compreendo que a qualidade para um zagueiro, nos dias atuais, é requisito básico e treino é algo importante para aprimorar isso. Sei, também, que ser menino e ir pra briga gera desconforto e problemas existenciais. Mas os zagueiros avaianos não dão certo de forma alguma, praticando jogadas bisonhas e ridículas a cada rodada. Se não é um é outro. Tomamos gols que o time das freiras carmelitas não toma.

Eduardo Costa tomou conta da zaga, numa bela sacada de Geninho quando perdemos Antonio Carlos. Vejo futuro nessa disposição tática. O cadeirudo conseguiu dar conta do recado, ajudado com a volta de Marquinhos e Cléber para auxiliar na saída de bola. Todavia, embora tenha jogado bem, foi favorecido pelo fraco desempenho do ataque do time adversário. Conseguimos achar um ataque pior do que o nosso.

Cléber Santana tem que largar a titularidade e começar do banco. Entrar quando faltarem alguns minutos para a acabar o jogo, ou ficar no banco e dando instruções aos gandulas de como jogar a bola de volta ao gramado. Fraco, fraquíssimo e fazendo uma força danada para apagar sua biografia tão bem construída na Ressacada. E, garanto, antes que algum urubu de carniça saia batendo asas, não é por salários atrasados.

Já o Marcos Véio foi o de sempre. Lançamentos do tipo pega quem quer, passes de dois metros nas pernas do adversário, corre para o lado errado do campo, se envolve na marcação adversária e continua cobrando escanteios como um juvenil. A única boa bola que acertou no jogo, foi falta na cabeça do Pablo e empatamos. E só.

O cara endeusado por meia dúzia de abobados precisa fazer jus à sua condição de torcedor em campo. Está correndo mais, percebe-se, e parece até que quer ajudar, mas sua limitação, auto-imposta, é nítida e notória. A gente sabe que ele pode mais, muito mais.

De resto, como ressaltei, vi um time mais raçudo e pegador. O preparo físico foi a diferença para a vitória. E temos um técnico no banco, que soube mexer quando o sinal ficou vermelho. Não sei se o acesso é garantido e nem mesmo se permanecemos na série B, mas já dá uma esperançasinha por alguma coisa parecida com futebol que surgiu nessa noite de terça-feira.

Anúncios

2 comentários sobre “Muita transpiração, pouca inspiração

  1. Fala, Aguiar!

    Do teu comentário só discordo do Marcos.
    Não foi o MS do passado, mas jogou bem, deu lançamentos, colocou o Paulo Sergio na cara do gol, bateu a falta do segundo gol e foi muito mais participativo.
    Não tem explosão, isso é fato.

    Sdx

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s