Está tendo Copa

Mas parece que esse time do Brasil ainda não sabe disso. Pelo menos neste segundo jogo. Não jogamos nem pro gasto, com alguns jogadores muito abaixo daquilo que podem apresentar e dependentes exclusivamente do Neymar.

Ora, Copa do Mundo é entrega, é decisão, cada jogo uma vida, cada partida um evento épico. E principalmente para uma seleção que é protagonista como a nossa. Por isso, o empate com o México foi justo exatamente porque a seleção brasileira não jogou um futebol de campeão de Copa do Mundo. Foi como se estivesse num campeonato de três pontos, esperando pela próxima partida para recuperar este resultado.

Por outro lado, o México não é mais uma seleção de pernas de pau. Fato! Desde há muito tempo que eles avançaram na aplicação tática e na qualidade técnica. Criaram uma escola. Boa parte dos times da América Central e do Sul joga igual aos mexicanos. O 3-5-2 deles é daquele das antigas, com um líbero, que no Brasil erradamente vira terceiro zagueiro. Isso dá a possibilidade de a marcação ser forte e consistente e com saídas de bola objetivas. Não é fácil jogar contra eles com toque de bola, por exemplo, e a entrega de um time contra o México tem que ser muito grande para poder superar a marcação. Por isso o Brasil empatou e só não perdeu porque ainda temos muito mais história que eles.

O México não veio para a Copa do Mundo para ser campeão. O Brasil, sim.

E por que o Brasil não venceu?

Primeiro, o ataque brasileiro parou no ótimo goleiro Ochoa. É craque debaixo das traves, isso é indiscutível. E tanto é assim que foi escolhido o melhor em campo pela FIFA. E se um time tem como melhor em jogo o seu goleiro é porque o adversário atacou muito. Certo? Certo, mas em partes. Tivemos 14 finalizações contra 13 do México, 8 diretamente a gol contra apenas 3 deles e 5 a 3 em escanteios. Ué, então, por estes números da FIFA.com, jogamos no ataque o tempo todo, certo? Não.

E não há qualquer contradição nisso.

Foi devida à qualidade individual de nossos jogadores, que é enorme, que conseguimos bons lances de área, fazendo o goleiro deles se consagrar. O que faltou para nosso time manter essa postura ofensiva foi consistência e compactação. Faltou mais aplicação tática para impor o jogo. Faltou Felipão ser Felipão. Faltou raça. E faltou Hulk.

– Ah, mas então o Hulk é o principal jogador brasileiro?

Não, mas ele tem muita força e impõe uma marcação contrária sobre ele. Isso faz com que sobre espaço para Neymar e Oscar, os principais jogadores do Brasil.

A segunda coisa foram os muitos passes errados e que colaboraram para a recomposição do time mexicano. O principal sintoma dos passes errados foi o posicionamento equivocado do time brasileiro, com muita distância entre a zaga e o meio. As rifadas de bola dão a exata noção de como os jogadores brasileiros estavam mal distribuídos em campo. Isso é fácil de resolver: treinamento.

A verdade é que Felipão não soube o que fazer, embora tenha boas opções no banco. Entrou com o jogador errado no lugar do Hulk, que era o Ramires. E depois, quando precisou mexer, mexeu errado de novo colocando outro jogador, o Bernard, completamente desfigurado para a partida.

O México, por sua vez, soube demais o que fazer, que era marcar Neymar e a criação de Oscar. E aí, quando se precisou de mais sangue dos outros jogadores, eles se omitiram.

Enquanto isso, está tendo Copa, e muito boa. E o Brasil será campeão. Até porque esta Copa já está comprada, né, mô quirido?

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s