Mamãe, tenho medo!

O medo é um negócio fabuloso. É uma manifestação sensorial humana que dá origem a estados de alerta. A propósito, não só humana, haja vista que diversos animais também o sentem, em graus fisiológicos próprios.

É o medo que nos faz tirar conclusões do mundo que nos cerca e nos permite avançar ou recuar. Há, relacionadas ao medo, diversas outras sensações e a ansiedade é uma delas, a antecipação ao estado que nos provoca medo. O pânico e o pavor são outras manifestação acentuadas da sensação de medo, que se tornam incontroláveis.

Há o medo de bichos, peçonhentos ou não, há o medo do escuro, o medo de altura, de ambientes fechados. Alguns são medos que fazem parte da característica elementar do indivíduo, outros são aprendidos.

Na Ressacada, nos últimos anos, há um medo exagerado, uma fobia ao Zunino. Soube-se que neste verão a grama cresceu diferente da cor habitual, e foi culpa do Zunino.

E na última semana, o medo do Ovelha pelas suas declarações bombásticas (?), levou uma outra porção ao consultório psiquiátrico.

Disse, o treinador avaiano, que há mais mistérios no vestiário avaiano do que possa imaginar nossa vã condição de torcedor. E o Ovelha causou pânico, pavor, uma fobia estressante. Só se fala nisso. Virou case de psicologia de botequim e logo, logo o assunto será tratado como tese de doutorado em Miami. Sim, Miami, na beira da praia, mas bem longe.

Ora, alguém me aponte um clube de futebol onde não haja problemas de vestiário. Aliás, alguém me aponte um lugar, um local, um ambiente onde, em crise, um fulano não tenha que recorrer a coisas ocultas e obscuras para tentar explicar o mau desempenho.

Alguém sabe como que surgiram as religiões? Para se buscar no desconhecido a explicação para nossos medos. Medo do escuro, das estações, da chuva, dos bichos da floresta, dos guerreiros. Aí apareceu um experto e disse que aquilo eram coisas do além, do desconhecido, e que se deveriam orar para um entidade qualquer de forma a espantar o medo. Alguns faziam até sacrifícios de virgens.

Mas parece que no reino da Ressacada os medos são diferentes e ali os problemas são maiores que do resto do mundo. E todo mundo acredita.

Quantas virgens do templo estão espalhadas por aí, hein?, doidas por um sacrifício.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s